• O que pode a infância na vida adulta?

    Modos infantis de não achar respostas prontas para perguntas difíceis

  • Na contramão de alternativas universais, princípios totalizantes e do elogio ao amadurecimento, nós propomos modos infantis para o enfrentamento de grandes questões existenciais. Ou seja, infancializar os percursos da vida.

     

    Nossas bases percorrem desde o sistema filosófico Wolof, passando pelos cosmosentidos Dagara e a cosmologia judaico-cristã até estudos contemporâneos de crianças e infâncias.

     

    Um dos nossos pressupostos é de que a infância não deve ser compreendida apenas como uma fase da vida, mas, sobretudo, como uma condição de experiência humana, um sentido catalisador que permite reinventar o mundo.

     

    Um percurso interessado em recusar o desenvolvimento; mas, assumir o infantil envolvimento com a mais-valia de vida. Uma atitude responsável e comprometida com a necessidade de resistir ao esquecimento da infância, ao avanço da adultidade e às utopias futuristas que apostam no amanhã.

  • Renato Noguera

    Renato Noguera foi iniciado na tradição Griot pelo avô e criado no tradicional bairro de Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro. Em sua pesquisa sobre a infância lança o olhar para a arte e educação, articulando artes visuais, dança, literatura, música e teatro às práticas educativas com crianças.

     

    É doutor em filosofia e professor do programa de pós-graduação em educação, contextos contemporâneos e demandas populares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e do programa de pós-graduação em filosofia da mesma universidade, se dedicando a um vasto universo de pesquisas, entre elas a filosofia africana.

  • Desenho de percurso

    10 de novembro

    09h às 18h

    O que é infância?

    O que pode a infância no mundo?

    Exibição de um filme seguido de roda de conversa sobre a infância como sexto sentido

     

    Em termos afroperspectivistas, infancializar quer dizer experimentar a vida de uma maneira brincante que assume a instabilidade, a impermanência e o reconhecimento de vivências e relações com outros seres de forma interdependente.

     

    Vamos começar o percurso investigando o que pode a infância na vida adulta. Um convite para olhar a infância como sexto sentido e se reaproximar daquilo que nos torna seres biocêntricos, curiosos e criativos: a infância como cumplicidade cosmológica com o existir.

    Os cinco elementos da cultura dagara

    terra, água, mineral, fogo e natureza

    Experimentações ritualísticas laicas

    Quem sou eu no mundo?

     

    A cosmovisão Dagara entende que o mundo se articula a partir dos elementos fogo, água, mineral, terra e natureza e que cada pessoa está ligada a um deles desempenhando um papel específico na comunidade.

     

    Fogo: sonho, criação e conexão com a ancestralidade
    Água: sabedoria, concentração e reconciliação
    Terra: identidade, capacidade de nutrição e suporte da comunidade
    Mineral: comunicação, história e memória
    Natureza: conhecimento de si, capacidade de atravessar mudanças e desafios

     

    Vamos experienciar rituais laicos com os elementos dagara para relembrarmos e nos conectarmos à nossa força trazida ao mundo.

  • 11 de novembro

    09h às 14h

    Máscara neutra e produção de infâncias, cosmosentidos:

    visão, audição, olfato, tato, paladar e Infância

    A objetificação é insuperável?

     

    Máscara neutra é uma estratégia da dramaturgia, mas, aqui será trabalhada nas dimensões dos seis sentidos (audição, tato, olfato, paladar, visão e "infância") e na elaboração da nossa face infantil. Um tipo de máscara do rosto sem máscara. A face do que fomos primeiro e ainda somos.

    Exercícios de democracia: a infância na roda

    Pesquisa compartilhada na construção de micropolíticas para a vivência do dissenso.

     

    A democracia é um exercício de conviver com o repúdio. Os exercícios de democracia têm relação direta com o "espelho" e as formas de refletir quem somos. Daí, a tese de que democracia precisa romper como narcisismo infantil e assumir o infancializante olhar de Oxum diante do espelho.

  • Outros assuntos

    Educar x Doutrinar

    Renato Noguera

    TEDx UFF

    O que é o amor?

    Renato Noguera

    Philos

    África como berço da filosofia

    Renato Noguera

    Canal Futura

    Afroperspectividade: por uma filosofia que descoloniza

    Renato Noguera

    Unifesp

  • Raízes

    Um convite para uma experiência de duração com pessoas interessadas em

    diferentes modos de aprender e viver junto.

  • Contato